quarta-feira, 21 de setembro de 2016

LIVROS ANTIGOS (OLD BOOKS / STORIES OF CITY PIRACICABA) - HISTÓRIA EM QUADRINHOS DE PIRACICABA VOLUME I E II 1970 - POR LEANDRO GUERRINI (BY LEANDRO GUERRINI) IHGP (INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DE PIRACICABA / INSTITUTE OF HISTORY AND GEOGRAPHIC PIRACICABA CITY)



HISTÓRIA EM QUADRINHOS DE PIRACICABA VOLUME I E II 1970 - POR LEANDRO GUERRINI / Também faz parte de meu acervo de gibis, revistas e álbuns de figurinhas, alguns livros interessantes, antigos e históricos como este apresentado aqui no blog, só não tenho o hábito de postar mais, porque sendo um livro, e principalmente referente a cidade de Piracicaba, creio que  não seja suficientemente atraente a seguidores de outras cidade e regiões, por não conter fotos ou ilustrações que despertem o interesse de uma forma geral. O blog está tendo uma visita muito boa e positiva por pessoas de vários países do mundo, o que me deixa muito feliz, e honrado por ter a noção de que estamos agradando. Edição de 1970 do Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba, capa de Álvaro Paulo Sêga, publicado pela Imprensa Oficial do Município de Piracicaba, e Papel Piracicabano (gentileza de Cia. Refinadora Paulista S/A). Uma obra bem elaborada trazendo em pequenos quadrinhos, trechos importantes e históricos que fizeram parte da cidade de Piracicaba, começando no volume I, em 18 de abril de 1654, terminando no ano de 1900, volume II. Apenas para constar, em 24 de julho de 1766     Antonio Correia Barbosa é nomeado para o cargo de diretor da povoação de Piracicaba, em 01/08/1767 ocorre a fundação oficial do Povoado de Piracicaba, tendo como padroeira oficial a Nossa Senhora dos Prazeres. No site http://ipplap.com.br/site/a-cidade/breve-historico-de-piracicaba/ Em 1766, o Capitão-General de São Paulo, D. Luís Antônio de Souza Botelho Mourão, encarregou o Capitão Antônio Corrêa Barbosa de fundar uma povoação na foz do rio Piracicaba. Este, no entanto, optou pelo local habitado pelos índios Paiaguás, onde já se haviam fixado alguns posseiros, à margem direita do salto, a 90 quilômetros da foz, entendendo ser o lugar mais apropriado da região. A povoação seria ponto de apoio às embarcações que desciam o rio Tietê, oferecendo retaguarda ao abastecimento do forte de Iguatemi, fronteiriço do território do Paraguai. Oficialmente, o povoado de Piracicaba, termo da Vila de Itu, foi fundado em 1º de agosto de 1767, sob a invocação de Nossa Senhora dos Prazeres. Em 1774, a povoação constituiu-se em Freguesia, com uma população estimada em 230 habitantes. Em 1784, Piracicaba foi transferida para a margem esquerda do rio, logo abaixo do salto, onde os terrenos melhores favoreciam sua expansão. A fertilidade da terra atraiu muitos fazendeiros, ocasionando a disputa de terras. Em 29 de novembro de 1821, foi elevada à categoria de Vila, tomando o nome de Vila Nova da Constituição, em homenagem à promulgação da Constituição Portuguesa, ocorrida naquele ano. A partir de 1836, deu-se um importante período de expansão. Não havia lote de terra desocupado e predominavam as pequenas propriedades. Além da cultura do café, os campos eram cobertos pelas plantações de arroz, feijão, milho, algodão e fumo, mais pastagens para criação de gado. Piracicaba era um respeitado centro abastecedor. Em 24 de abril de 1856, Vila Nova da Constituição foi elevada à categoria de Cidade. Em 1877, por petição do então vereador Prudente de Moraes, mais tarde primeiro presidente civil do Brasil, o nome da cidade foi oficialmente mudado para Piracicaba, “o mais certo, o correto e como era conhecida popularmente”.












F  I  M