terça-feira, 20 de setembro de 2016

GIBIS ANTIGOS (CLASSIC COMICS) - AVENTURAS DE CHARLIE CHAN (ADVENTURES OF CHARLIE CHAN) Nº 07 - 1961 EDITORA O CRUZEIRO / NATIONAL COMICS PUBLICATIONS INC.


AVENTURAS DE CHARLIE CHAN Nº 07 - 1961 EDITORA O CRUZEIRO / NATIONAL COMICS PUBLICATIONS INC. /  Um total de 8 edições de Charlie Chan, foram publicadas  pela Editora O Cruzeiro nos anos 60, exemplares com 36 páginas, adaptadas para os quadrinhos, algumas reimpressões ocorreram,  porém, sem ordem cronológica  pela editora. Charlie Chan é um detetive de ficção, de origem sino-americana, criado por Earl Derr Biggers em 1923 para um romance publicado em 1925. Biggers concebeu o personagem como uma alternativa a alguns estereótipos de outros detetives; ao contrário de vilões como Fu Manchu, Chan é o retrato da não-violência. Entretanto, também é mostrado como distinto e assexuado, e enquanto sofre com preconceitos não fala abertamente sobre este assunto. Vários filmes e seriados de Cinema foram realizados com Charlie Chan, começando em 1926. O personagem foi primeiramente retratado por atores asiáticos, e os filmes não fizeram muito sucesso. Em 1931, a Fox Filmes escalou o ator sueco Warner Oland como Charlie Chan e o filme foi um sucesso. Então a Fox Filmes produziu mais 15 filmes com o ator encarnando o personagem principal. Após a morte de Oland, o ator escocês-americano Sidney Toler começou a interpretar Chan; Toler fez 22 filmes. Após a morte de Toler, mais seis filmes foram feitos, estrelando Roland Winters. Além destes vários outros filmes falados em espanhol e chinês foram realizados durante as décadas de 1930, 1940 e 1950 e todos levados à China onde o personagem era muito respeitado e popular. Adaptações mais recentes, na década de 1990 não tiveram sucesso.  O personagem também fez parte das famosas radionovelas, televisão, desenhos animados (talvez o de maior impacto, foi o produzido pelo estúdio Hanna-Barbera)  e uma série de quadrinhos (todos nos EUA). O personagem, entretanto, é controverso, com alguns críticos comentando que ele retrata os asiáticos de uma maneira positiva e outros que é um estereótipo ofensivo. Os que o adoram retratam um personagem inteligente, benevolente e honrado. Outros o criticam como sendo unidimensional, além de afeminado e subserviente ao ocidente, mesmo a série de filmes só fazendo sucesso quando o personagem foi interpretado por atores ocidentais.











F  I  M