sábado, 17 de outubro de 2015

GIBIS ANTIGOS (CLASSIC COMICS) - PATOLINO (DAFFY DUCK) Nº 04 - 1974 EBAL - TEX AVERY


PATOLINO (DAFFY DUCK) Nº 04 - 1974 EBAL / Uma criação de Tex Avery em 1937, aparecendo pela primeira vez no desenho do Gaguinho, intitulado originalmente "Porky's Duck Hunt", na versão brasileira pela Cinecastro-RJ, "Gaguinho e a caça ao Pato". Esse pato "doidão" (no original é referente a esse termo de maluco, louco, doido) e simpático, também chegou a ser publicado pela saudosa EBAL, Editora Brasil-América nos anos 70, mas uma vida curta em apenas 6 edições coloridas no ano de 1974, entre fevereiro e dezembro, publicação bimestral. Felizmente, essa raridade publicada pela editora EBAL, eu tenho em perfeitas condições (estado de banca), completa e encadernada, conforme as fotos postadas aqui nesta matéria logo abaixo. 





Patolino foi aparecendo com mais frequência, quase sempre como adversário do Pernalonga (principalmente para evitar as balas da espingarda / rifle de Hortelino ou mesmo Gaguinho), inconformado que tudo dava certo para o coelho, mas para ele não. Após levar a pior diante de Pernalonga, comentava com o bordão "Você é desprezível". Sou fã declarado dele, e acho injusta essa colocação, mas tem que ser registrada aqui, vejam isso: Patolino é o terceiro mais popular e frequente dos curtas da Warner Bros. com 133 aparições, à sua frente com 159, vem o Gaguinho e 166 de Pernalonga. 



Em 1951 quando os desenhos do Patolino passaram a serem dirigidos por Chuck Jones, o personagem perdeu sua personalidade maluca original, e passou a ser mais ganancioso, temperamental e invejoso, principalmente nos curtas onde ele aparecia junto do Pernalonga. Durante décadas o personagem foi sempre retratado em animações, e quadrinhos, sendo ganancioso e temperamental, embora em alguns momentos ainda mostrasse alguns traços de sua antiga loucura, dependendo da situação. Na série animada de Looney Tunes, e pertencente ao estúdio Warner Bros.; a voz dele, sempre foi um fator importante para que o desenho se desenvolvesse da forma com que era para ser, ou seja, tinha que transparecer através de quem estivesse emprestando sua voz ao personagem, as emoções, sensações e temperamentos múltiplos dele. 



Nos EUA, Patolino foi originalmente dublado por Mel Blanc (voz de diversos outros Looney Tunes), que lhe deu uma característica "língua presa", cuja origem é controversa: é considerada paródia ao chefe do setor de animação Leon Schlesinger, que falava muito desta maneira; mas Blanc afirmou em sua auto-biografia que ele imaginou a pronúncia por causa da grande mandíbula do pato. A animação reforçava o "falar cuspindo" mostrando enormes gotas de saliva espirrando de sua lingua, um hábito abandonado nos desenhos dos anos 50 e 60, mas retomado nos anos 90. Depois da morte de Blanc, o pato foi dublado por Jeff Bergman (1990–1993), Greg Burson (1993–1996), Dee Bradley Baker (no filme Space Jam) e desde 1996 é dublado por Joe Alaskey. 



Em Portugal, a voz da dublagem foi realizada por Carlos Freixo. No Brasil, foi dublado por Carlos Marques nos anos 60, Waldyr Sant'anna nos anos 70, Orlando Drummond, e desde 1995 é dublado por Márcio Simões (que também faz o Frajola). Na dublagem brasileira a característica da "linguá presa" só passou a ser usada no personagem no início dos anos 90, quando Simões assumiu Patolino. Drummond dava uma voz mais grossa para o pato, mas apesar de não o ter dublado "chiando" muito a voz como a dublagem original em inglês, dava um tom de voz meio "fanho" ao Patolino. Na minha opinião, os melhores desenhos animados dele, são justamente a dublagem mais clássica, do estúdio da CINECASTRO-RJ.





F  I  M