sábado, 19 de setembro de 2015

GIBIS ANTIGOS (CLASSIC COMICS) - PEPE LEGAL (QUICK DRAW MCGRAW) Nº 10 - 1969 EDITORA O CRUZEIRO


PEPE LEGAL Nº 10 - 1969 EDITORA O CRUZEIRO / Este é o meu personagem preferido entre os desenhos de curta metragem do estúdio Hanna-Barbera, os foras-da-lei que se cuidem, porque aí vem PEPE LEGAL, e nãoooooo se esqueça disso! Uma produção de 1959, Pepe Legal e Babalu, em cada episódio, conta as aventuras de um Cavalo e um Burrinho, seu ajudante, combatendo os malfeitores do velho oeste. quando de sua exibição pela primeira vez no Brasil, era o Show do pepe Legal, programa este, que era segmentado por mais dois desenhos com personagens conhecidos e adorados por todos, Bibo Pai e Bobi Filho, e Olho Vivo e Faro Fino. 





Vale lembrar, de que nos anos 60 na Tv brasileira, havia a fantástica abertura do Show, onde entra Pepe Legal, numa carroça puxada por outros cavalos (pasmem!), passando por desfiladeiros, pontes, e riachos. As rodas se adaptavam sempre às curvas do caminho, aumentando e diminuindo a largura do eixo ou crescendo e diminuindo para se adaptar às depressões do terreno. No final da abertura do desenho, ao puxar o freio, eis que o mesmo não funciona e nosso herói se vê afundando enquanto freia com o pé, até ficar completamente coberto pelo solo. 





Pepe Legal é um cavalo oficial do Novo México que lembra muito os velhos filmes de caubóis do Velho Oeste Americano. Ele não é também, digamos, um exemplo de inteligência, e imaginem para ocupar um cargo de xerife?! Quando consegue sacar sua arma, geralmente acaba atirando em seu pé, ou nele mesmo! Sua sorte, sempre foi ter ao seu lado, como ajudante o burro chamado Babalu, que teve sua dublagem brasileira, elaborada com um sotaque Mexicano gringo, e ao contrário de Pepe Legal, ele que acaba sempre resolvendo o caso, mas a glória indo parar ao herói do desenho! Uma de suas frases prediletas dizia "Pepe Legal és inteligente, o que lhe falta és pensamento...", justificando as confusões que Pepe Legal acaba sempre se envolvendo. Em alguns episódios, aparece o cachorro chamado Rafeiro, que faz qualquer coisa para o seu dono, desde que receba um delicioso "biscoito de cão muito especial", que nosso herói, obrigatoriamente, tem que lhe dar. 



E, quando isso acontece, Rafeiro começa a se contorcer todo, cheio de felicidade, fecha os olhos e começa a flutuar, para depois descer suavemente ao som de uma música celestial, uma genialidade incrível esse momento! Mas o melhor em alguns episódios, era assumir a identidade de um super-herói, o vigilante mascarado conhecido por EL KABONG, que é evidentemente uma paródia ao mascarado Zorro. Chegando sempre voando numa espécie de "cipó ou corda", semelhante ao Tarzan, apesar de ninguém saber onde essa "corda" era amarrada. El Kabong atacava os seus inimigos, não com uma espada, mas sim com seu violão e dando o seu grito de guerra "KABOOOOOONG!" ou às vezes, "OLAYYYEEEEEE!" e sempre lançando seu violão sobre a cabeça dos bandidos! Enfim, um personagem magnífico, assim como tantos outros criados por HANNA-BARBERA, e que ainda permanecem vivos na memória de muita gente, porque o que é bom, fica guardado, arquivado nas gavetas empoeiradas de nossa memória auditiva e visual!


F  I  M