segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

GIBIS ANTIGOS (CLASSIC COMICS) - ELEKTRON (THE ATOM) Nº 08 - 1968 EDITORA BRASIL-AMÉRICA (EBAL)


ELÉKTRON (THE ATOM) Nº 08 - 1968 EDITORA BRASIL-AMÉRICA (EBAL) / E agora, mais uma publicação da saudosa EBAL, com aquelas fantásticas capas de arrepiar qualquer moleque nos anos 60 e 70, pelo menos é o que eu sentia e ainda sinto quando revejo minha coleção desses clássicos inesquecíveis, muitos desses títulos, sendo lançados pela primeira vez aqui no Brasil, em publicações próprias, trazendo heróis e personagens de desenhos animados ou faroestes da televisão, além é claro, das séries de TV. É a vez de ELÉKTRON (no Brasil), ou "O  Atômico". Quem aparece também neste quadrinho, é Aquaman, e que ainda era chamado de "Homem Submarino". Com apenas 10 edições, de 36 páginas, Eléktron permaneceu nas bancas em sua revista própria, entre agosto de 1967, e maio de 1968. Para quem não conhece ainda o personagem, se faz necessário dizer que ele apareceu pela primeira vez, em All American Comics em 1940, na chamada Era de Ouro, sendo no original, conhecido por O Átomo. O personagem foi criado por Bill O’Connor e Ben Flinton (com arte final de Leonard Sansone), mas não será hoje sobre ele, que abordarei, pois a história é longa. Nos anos 60, tudo começou através do editor Julius Schwartz, que encomendou uma revisão do Átomo da Era de Ouro, como parte das reformulações de personagens feitas pela DC Comics no início da Era de Prata, o que renovaria e daria uma nova fase a diverso personagens e conforme o que imaginava. Proposta que acabou sendo levada a cabo por Gardner Fox e Gil Kane (com Murphy Anderson na arte-final). O princípio de “ser pequeno” foi mantido nessa revisão de personagem, mas considerando um aspecto científico, não o tamanho real do herói. Na edição de Showcase nº 34, "Birth of the Atom!", publicada em 1961, temos então a apresentação de Ray Palmer, um físico e inventor que já há muito tempo está testando uma de suas grandes criações, capaz de diminuir objetos através de lentes especiais. Como é típico dos roteiros de Gardner Fox, há uma grande preocupação em fazer com que as indicações científicas façam algum tipo de sentido e o autor sempre prioriza o caminho das informações verdadeiras, sendo didático em alguns pontos. Quando não consegue uma explicação científica para algo, Fox dá voltas e voltas para achar possibilidades, brechas onde pode encaixar suas criações. Pois bem, a aventura inicial do Eléktron (importante ressaltar que este é o nome do personagem no Brasil. Nos Estados Unidos ele é Atom, assim como Al Pratt) se enquadra nessa segunda opção, procurando possibilidades. A exploração nas cavernas e a forma como ele conseguiu encontrar um modo para usar as novas lentes, feitas com partes de uma Anã Branca, chega a ser engraçado de tão exótico. Na segunda história do quadrinho americano, e o original, intitulada de "Battle of the Tiny Titans!", parece ser a mais importante, pois é nessa aventura, que aparecerá a criação do uniforme do Eléktron, com uma explicação razoável sobre seu surgimento na história. O roteiro não fala sobre confecção nem nada do tipo, mas pelo menos existe uma colocação cuidadosa para o desaparecimento da roupa e o surgimento do uniforme do herói. O mesmo não acontece com o cinto (bio-belt), que também estreia nesta edição e já indica que Ray havia dominado a diminuição de objetos, chegando a fazer um de seus truques mais legais, que é diminuir-se a tal ponto que consegue viajar pela linha telefônica. A batalha contra Kulan Dar é boa, mas toda a história é cortada pelas aspirações independentes de Jean Loring, que simplesmente não combina com o lado científico e de descobertas físicas que formam o contexto da revista. Ainda assim, trata-se de uma boa edição de origem de personagem, um que se tornaria muito importante na DC, especialmente depois de entrar para a Liga da Justiça da América. Enfim.....Eléktron para mim nada mais é do que um personagem admirável que poderia ter tido uma importância maior no universo da DC, por dominar toda sua estrutura molecular do corpo, seria interessante e incrível poder acompanhar mais aventuras de um herói diferente dos demais que conhecemos, ou não?!








F  I  M