sábado, 27 de agosto de 2016

GIBIS ANTIGOS (CLASSIC COMICS) SELEÇÕES JUVENIS Nºs 59 E 157(20) / ARRELIA E PIMENTINHA (BRAZILIAN CLOWN ARRELIA) - 1956 - 1958 EDITORA LA SELVA


SELEÇÕES JUVENIS Nºs 59 E 157 (20) / ARRELIA E PIMENTINHA - 1956 - 1958 EDITORA LA SELVA / Duas publicações da Editora La Selva, com a dupla de Palhaços que marcou época na televisão brasileira, e também, em adaptação para os quadrinhos, através de roteiros de Flávio de Souza, e desenhos de Manoel Messias de Mello. Raridade disputada entre colecionadores de quadrinhos atualmente.  Waldemar Seyssel nasceu em Jaguariaiva, estado do Paraná no dia 31 de dezembro de 1905. Filho de família circense, tornou-se personagem marcante na cultura brasileira. Sua origem começou na França no Condado de Seyssel, na região de Grenoble, quando seu avô Júlio Seyssel indo a um circo que por lá passava, apaixonou-se pela filha do dono do circo. Não podendo casar-se sem o consentimento da família por serem nobres, abandonou tudo, indo embora com o circo. Como era professor de Educação Física, e grande músico, ficou trabalhando no circo até tornar-se um dos grandes palhaços europeus. Após percorrer vários países, a família veio para o Brasil com o circo “Charles Brothers” montado onde hoje é o Fórum de São Paulo. O pai de Waldemar, Ferdinando Seyssel casa-se também com uma filha de dono de circo. Mais tarde, com a ida de seu avô para o Chile, seu pai e seu tio Vicente montaram seu próprio circo, “Irmãos Seyssel” que ficou para Waldemar e seus irmãos. Antes de ser palhaço, Waldemar trabalhou no circo fazendo malabarismo na cama elástica, no trapézio e nas barras. 










Quando criança, Waldemar conta que fazia muitas traquinagens, gostava de aborrecer ou "arreliar" todo mundo, origem dada ao apelido. Começou a trabalhar como palhaço em 1922 no Cambucí. Entretanto só em 1927, em Uberaba que nasceu o Palhaço Arrelia, numa cena improvisada e bastante cômica, quando Waldemar foi obrigado a substituir um palhaço do circo. Seus irmãos o pintaram, vestiram e o empurraram para o picadeiro. Waldemar caiu de mal jeito, fez trejeitos e caretas, levantou mancando e o público ria e aplaudia freneticamente, pensando que era graça, um total sucesso. Seu pai e seus irmãos aprovaram e nesse dia surgiu o grande Arrelia. Seu trabalho de 1922 a 1952 no circo e de 1953 a 1973 no Cirquinho do Arrelia na TV, consolidou uma obra artística que estará sempre na memória do povo brasileiro que cresceu com a graça e espontaneidade de um verdadeiro palhaço chamado Arrelia. De vez em quando se diz que o Circo está morrendo. De fato, nos dias de hoje, já são cada vez mais raras aquelas cenas antigas, a garotada correndo atrás dos desfiles com a chegada do Circo na cidade, o palhaço a fazer graça em cima de um bicho e respondendo a clássica pergunta: - Hoje tem espetáculo? – Tem sim senhor!  Na verdade, o Circo não morreu, ele mudou, nós mudamos! Mas naquela época, era possível ter a presença do Circo, em sua casa, o que havia de melhor naqueles espetáculos populares, instalou-se na televisão com sucesso absoluto. Um exemplo disso foi justamente Arrelia. Seus programas estavam sempre repletos de gente, e também o público espectador. 











Tanto no Rio  de Janeiro quando começou com o “Grande Circo Arrelia”, como em São Paulo que era visto primeiramente no “Circo Eletro Rádio Brás”. Os índices de audiência eram os mais altos registrados na época. A força do Palhaço Arrelia, estava na sua completa autenticidade, e facilmente justificado, já que ele havia vindo realmente do Circo. O grande êxito do sucesso de seus programas, estava na equipe técnica que eram da família, seus irmãos Henrique, Teresa e Eurico. E dois palhaços antes da chegada de Pimentinha, chamados de “Gostoso e Melito”, além da “Banda do Jacy” que contribuía em muito na performance dos palhaços. Para completar essa carreira de sucesso, dois nomes importantíssimos estiveram presentes e apoiando Arrelia, o Diretor da TV Rio, Armando Sarmento, e o Diretor de Estúdio, Cícero de Carvalho. Arrelia morreu aos 99 anos de idade, às 5h do dia 23 de maio de 2005, no Rio de Janeiro, ele estava internado na Clínica Cirúrgica Santa Bárbara, em Botafogo, desde sexta-feira (20) em razão de uma pneumonia. O Palhaço Arrelia sem dúvida alguma, ao lado de Piolin, Carequinha, Torresmo e Pururuca encontra-se no topo dos melhores palhaços do país!











F  I  M